Agosto 08 2019 0Comentários

Fake meats – Devemos desprezá-las?

comsética vegan

Se antes as opções 100% vegetarianas eram escassas em Portugal, de um momento para o outro houve uma explosão e começaram a aparecer hambúrgueres, queijos, natas, cremes, bolos, de origem 100% vegetal e melhor do que isso, de óptima qualidade.

Quando me tornei vegetariana, não imaginaria que passado alguns anos estaria a ser confrontada com um hambúrguer 100% vegetariano igual a um hambúrguer de carne de vaca. Assim como não imaginaria que ia poder fazer uma tosta de queijo derretido com fiambre 100% vegetariano. Sim, eu consumo e gosto de produtos análogos à carne ou fake meats, mas isso não faz de mim menos vegana!

Tornei-me vegetariana porque não queria compactuar com a indústria da agro-pecuária e causar mais sofrimento animal. Foi uma escolha consciente e a qual foi apoiada a 100% pelos meus Pais, uma vez que ainda vivia com eles e eram eles que me sustentavam. Em 2006 havia poucas opções, algum tofu, seitan que parecia uma bola saltitona e pouco mais. Cada vez que ia para fora, encontrava sempre algumas opções que aqui estávamos a anos de luz de as conseguir ter. minha transição para o vegetarianismo / veganismo foi muito tranquila, nunca me arrependi e não tenho qualquer tipo de falta do que comia / usava antes, mas isso não significa que me ignore as “fake meat“. Para mim estes produtos e a facilidade de os encontrar em Portugal actualmente vieram trazer uma lufada de ar fresco ao mesmo tempo.

Tenho visto muita gente que critica a utilização destes produtos ou até mesmo questiona a sua eficácia na promoção do veganismo, classifica-os como alimentos processados e não saudáveis. Mas eu vejo-os como produtos que ajudam muito quem quer aderir ao veganismo e não sabe por onde começar. Se alguém está habituado a comer um naco de carne todos os dias, substituindo-o por um produto vegano é uma grande mudança! Se continuar a fazê-lo pode perceber que a carne não é precisa e ao mesmo tempo que vai consumindo as “carnes falsas” vai também aprendendo a cozinhar com outro tipo de alimento e a adaptar os gostos.

Adoro fazer um macarrão e queijo, aprendi a fazer com batata, caju e levedura nutricional, mas também já fiz utilizando queijos violife ou queijos de caju fermentados. Faço o meu seitan e utilizo pimentão fumado, se tiver convidados carnistas, acrescento fumo liquido e eles vão gostar do sabor pesado a carnes fumadas.

Estes produtos não fazem parte da minha alimentação do dia-a-dia, mas também não os dispenso ou coloco-os de parte. Não os consumo a pensar em carne, mas sim como uma óptima alternativa não só para quem quer comer carne mas acima de tudo uma óptima alternativa para quem tem preocupações com o ambiente (por exemplo a produção de um beyond burger (que eu não considero um alimento parecido com a carne) requer menos 99% de água comparativamente a um hambúrguer de vaca).

Quando escolho um queijo vegano ou uma alternativa vegetariana ao queijo, estou a fazer uma escolha consciente e a evitar que animais sejam explorados e que os bebés sejam roubados às suas mães. Há uns anos atrás as alternativas vegetarianas eram muito fracas, os queijos farinhentos e com um sabor muito forte. Hoje seja com os meus queijos fermentados seja com os de compra. Posso aumentar a intensidade do sabor utilizando flocos de levedura nutricional, há opções adequadas a todos.

Apenas a título de curiosidade 2014 quando fui pela primeira vez aos estados unidos havia um produto que toda a gente falava nos blogs e podcasts! Mel vegano! Estava muito curiosa e queria experimentar muito. Comprei uma embalagem e fiquei perplexa porque não era nada mais, nada menos do que geleia de maça! Aquela geleia que nós fazemos em casa mas que eles consideravam mel vegano. (hoje consumo Heeni uma iguaria típica da suíça e que é igual ao mel de abelha, mas sem abelha!) seria esta geleia uma imitação ou um produto acidentalmente vegano e que foi reformulado através do marketing? Ou este “mel” tirolês que é feito desde sempre a partir de flores de dente de leão e que agora ganhou uma etiqueta vegan?

Existem várias alternativas que podemos utilizar para substituir os ingredientes na nossa alimentação, sem recorrer aos produtos de origem animal, mas actualmente com a vida super agitada que temos estas alternativas são uma excelente forma de ganharmos algum tempo na preparação das nossas refeições, se gostarmos óptimo. Independentemente dos motivos que te levaram a tomar a decisão de ser vegano, recorda-te sempre que o mais importante são os animais! Se conseguirmos mantê-los afastados do prato é uma vitória, se alguém quer comer fake meats não critiques, cada um está a fazer o seu próprio percurso. Cada “ovo”, “omelete“, nugget, hambúrguer vegetariano representa mais uma vitória para os animais e quando tomamos esta decisão, fazemo-la apenas por eles!

 

 

 

The Humble Co

Escreva uma resposta ou comentário